quarta-feira, dezembro 13, 2006

À porta. Esperava todos os dias que ele chegasse. Não subia nem tocava à campainha. Sabia que era ali que ele morava - tinha visto numa revista e a porta do prédio era exactamente aquela. As gravações podiam estender-se noite adentro, mas ela não desarmava - esperava. Apenas queria trocar um boa noite com aquele que ela considerava ser superior e inegualável.
Um ídolo ou uma forma de deixar de viver a sua própria vida?

3 Comments:

Blogger ana disse...

Bom fim de semana *
(ontem passei por cá mas não consegui comentar...)

10:14 da tarde  
Blogger Barão da Tróia II disse...

Um bom tema, dá que pensar, boa semana.

11:10 da manhã  
Blogger António disse...

Não estou a comentar por ordem e este é o terceiro.
Agora estou totalmente de acordo.
Os nossos ídolos devemos ser nós próprios.
Também se poderia dizer que a auto-estima é muito importante.

Beijinhos

2:54 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home