quarta-feira, junho 07, 2006

Demasiada utilização da primeira pessoa do singular determina egoísmo. Devia ter calculado desde o início. Agora, o teclado parecia rodopiar debaixo dos meus dedos e já não conseguia encontrar as palavras para escrever o poema que lhe tinha prometido. Ela esperava, impaciente, sentada na cadeira ao meu lado como se escrever fosse um acto mecanizado. Sentia-me observado, a sobrancelha subida e arqueada, as minhas mãos a indiciar uma humidade nervosa, a vontade de voltar com o tempo atrás e munca ter engatado esta desequilibrada!
Não podia. Afinal, a noite tinha sido quente e as próximas prometiam ainda mais exercício físico ao estilo ginástica acrobática... vendia-me por sexo? Não passava de um... um Homem, que raio!
5 minutos depois, o poema estava escrito. 10 minutos depois... e depois, fumámos tranquilamente mais um cigarro!

5 Comments:

Blogger reflexo disse...

Os homens, a avaliar pelo que me tem constado são mesmo assim... Mas não se vendem apenas por sexo. É preciso mais que isso para os comprar. Digo eu que nada entendo de homens. Pelo menos nada mais do que os mesmos me deixam entender. Quanto a obrigações... quantas vezes as mesmas nos levam a atingir o que não achamos nunca que conseguiriamos pelos nossos próprios e solitários passos... Acorde meu amigo. As obrigações nem sempre são más...

5:31 da tarde  
Blogger PmA disse...

Homens... especimen bem peculiar. Às vezes também prefiro um cigarro. :p

2:45 da tarde  
Blogger António disse...

Querida S.!
Curiosa e inédita descrição de uma noite de amor.

Beijinhos

4:51 da tarde  
Blogger Maria João disse...

escrever é um fingimento, já dizia Pessoa... qto aos interesse ou intenções associadas, bem estão sempre lá.
todos nos vendemos por alguma coisa. uns chamam lhe amor. outros chamam lhe sexo.
os últimos ficam apenas o dinheiro.
n julgo ninguém pela preferencia.

12:01 da tarde  
Blogger Maria João disse...

escrever é um fingimento, já dizia Pessoa... qto aos interesse ou intenções associadas, bem estão sempre lá.
todos nos vendemos por alguma coisa. uns chamam lhe amor. outros chamam lhe sexo.
os últimos ficam apenas o dinheiro.
n julgo ninguém pela preferencia.

12:01 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home