terça-feira, dezembro 06, 2005

Ficávamos ali sentados. O sol a recolher, o vento a cheirar-nos a pele, as ondas a ameaçarem um banho indesejado. Era até ao limite... a maré a subir e nós a desafiarmos a Natureza: não podemos sair daqui! A areia colava-se às botas e estávamos sozinhos: ninguém vem para a praia em Dezembro! A Fortaleza a aconchegar-nos. Nada mais existia. Nem as palavras que cortavam o marulhar ritmado. Eram poucas, as palavras... às vezes, fazíamos amor. Mesmo ali. Quando levavas a mantinha de xadrês, eu já sabia como ia acabar aquele pôr-do-sol... sentia-me adolescente outra vez e era tão bom!
Sabes, há dias levei lá a nossa menina, mostrei-lhe o nosso cantinho, contei-lhe como ficávamos ali... Ela percebeu que nos amamos, ainda hoje e apesar da distância. Volta depressa, meu amor! Precisamos de ti!

5 Comments:

Blogger PmA disse...

Já me disseram que há saudades boas; e outras que nem por isso.
;)

2:43 da manhã  
Blogger sónia disse...

Estas, pelos vistos, eram boas!;)

2:02 da tarde  
Blogger António disse...

Muito intimista.
Não comento.

Beijinhos

11:02 da tarde  
Anonymous Anónimo disse...

Estes textos são lindos... confuso é saber de onde surgem?
Por vezes parecem momentos que não esqueci! Ou outros que podes estar agora a viver! ouentão é tudo ficção e estou a ser tótó!!
Beijocas

Meat loaf

2:30 da tarde  
Blogger sónia disse...

@antónio: é só uma história, intimista apenas para as personagens!
@meat: é natural que te revejas em algumas coisas, trago coisas minhas para estes textos, mas apenas na forma...o conteúdo é, normalmente, ficção!

12:54 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home