terça-feira, novembro 29, 2005

Então eu conto: acendi um cigarro e mantive-me em pé. Olhei à volta e vi-a. Fui ao seu encontro sem saber bem o que dizer. Saiu-me aquilo! Podia ter dito outra coisa qualquer, mas não... a minha embriaguez fez-me grunhir umas palavras sem nexo, mas que para mim, faziam todo o sentido. Agarrei-lhe a mão e puxei-a para a porta. Não percebi por que razão ela estava a fazer-se difícil a todo o meu charme. Achei uma ofensa e, pelo que me lembro, ela fez um movimento brusco e soltou-se. Já não tinha discernimento nem forças nem lucidez suficientes para correr atrás... deixei-me ficar, quieto, encostado ao bar e pedi mais um gin - Puro sff! Foi então que o Segurança me arrastou para a rua e me deu um murro no estômago que me fez vomitar tudo o que lá havia. Rebolei pelas escadas e só me lembro de acordar, imóvel, no hospital. Não consigo andar. Agora, a minha vida é uma existência. Preciso de ajuda para tudo e tudo parece tão complicado! Os meus dias são passados a pensar como poderei voltar atrás no tempo... como posso evitar a estupidez que cometi, como uma coisa que me parecia inofensiva me acabou com a alegria...
Pronto, já contei. Agora, miúdo, vê se pensas bem nas consequências que os teus actos podem ter!

2 Comments:

Blogger António disse...

Mais um interessante exercício de escrita.
Ficção?
Talvez...ou só parcialmente!

Beijinhos

1:56 da tarde  
Blogger hodiguitria disse...

Este é mesmo só ficção...

1:14 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home